terça-feira, 24 de novembro de 2015

tessituras

já te disse de que sou feito barro inútil das palavras nervos limbo e doces pedras coloridas


falo de amor 
ao som absurdo de guitarras é meu peito 
querendo tudo abraçar

falamos e calamos palavras porque o amor é sempre tão devastador

meu coração, uma vassoura velha varrendo as ruas da solidão e você transeunte sem razão que passeia nessa agonia deixou o lixo da paixão

Nenhum comentário:

Postar um comentário