quinta-feira, 19 de novembro de 2015

em ti

esse piano que eu não toco
me diz do existir
enfeitando salas
e nada mais

esse piano
que devora
meus sonhos
desgraçadamente
revela tua poesia
em mim
infantilmente poesia
de ti
inutilmente poesia
de chegar e partir

essa poesia
é um velho retrato
do mundo
que tantos
querem evitar

poesia jogada na cara
poesia pra caminhar
poesia de anoitecer
poesia de acordar
poesia pra voltar a viver
poesia pra tudo falar
poesia de todo silêncio
poesia pra te amar

acorde o mundo
nesse fim de tudo
atormente-se que
a vida passa
acalme-se que
a poesia te cobre

permita-se poetizar
até que o amor
adormeça e ponha-se
a sonhar
de tanta poesia
que há



Nenhum comentário:

Postar um comentário