quinta-feira, 29 de outubro de 2015

o mapa é ela

ela existe
agora eu sei ela é real eu sei também e sonha e trabalha e briga e queima o mundo e deixa os outros sem palavras e segue rindo

ela é você. eu sou ela. ela é só ela eu sou apenas o mapa que sabe o caminho dela

agora é aqui o lugar que há...
agora é em ti o lugar de ficar...

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

o teu nome

essa poesia que fala as palavras que não quero dizer, essa poesia que eu quero dizer, que só digo a você, que ninguém quer saber, que é preciso viver...

essa poesia que me mata suave e me deixa viver e revela você e esconde você, e não sabe onde ir, 
e me deixa ficar e me manda partir.

essa poesia que não sabe mais rir e faz pouco de mim e me olha na rua e me chama suave 
e acerta meu peito e me ensina a sentir.

essa poesia sabe tudo de mim, sabe até do amor, que faz falta assim

agora você...

o que há

a saudade é um cão que late o amor é o chão em que partes a palavra é a dor que bate a ausência é esse corte que causastes

enquanto o segredo corre e teu falar não morre, tudo quer enfim sonhar

em mim há uma teimosia de esperar

há um amor proibido amor permitido amor descabido vivido assim esse amor bandido que só quer te achar

não vou me desgastar é o verbo que se gasta em mim esse verbo que me faz gostar

agora então percebo, não há razão em mim...
há amor em mim.

motivo

só havia em plano: sobreviver a única possibilidade era descrever descer até onde havia resistência e deixar o coração dizer...

era o último fôlego dessa vida a última palavra a ser dita era a primeira de todas: você.




sonho de chorar

eu te vejo daqui dessa janela de esquecimento que lançaste sobre mim

nessa janela em mim tudo é masmorra da praia sinto o cheiro e o barulho do mar

o resto é esquecimento é quase um afogar não há mais barco, nem o céu muito menos o mar

dessa janela em que me permites eu sonho com a porta que em breve vai chegar

esse sonho em que acordo me convida ao sonhar o sonho que me devora e consome o meu sonhar

outro dizer


sentimento e razão discutindo em mim: que tolo teu coração querendo andar sozinho, que frágil tua paixão querendo saber amar
(sobre a minha condição)

todo A almeja o B todo B implica um A conclusão dessa incerteza: o alfabeto quer sonhar
(lições poética sem lógica)

por que tu danças, perguntou a música?
eu danço para reinventar o amar. (sobre o tablado do meu coração)


terça-feira, 27 de outubro de 2015

castigo

esse seu jeito de jogar pedras
e sabe acertar bem em mim

joga também tua beleza
além da tua raiva
joga em mim
tua leveza
joga teu amor em mim

teu jogo em mim aportou
vou ali
no abandono do mar

para todo e qualquer entendedor
o Bom da vida
é o Bom do amor

a mulher que sonho
me vigia armada
de faca nua e afiada
a mulher que sonho
me aponta arma
me alimenta alma
e me traga em palavras

e não tenha medo dessas palavras
exageradas que beiram o abismo...
já estamos nele.

eu que sou o monstro 
do abismo mais profundo que há,
todavia lá no fundo de tudo
eu sei que ainda posso amar.

meu coração é um peshmerga
ele saiu, foi passear
juntar palavras nas calçadas
e esperar você passar

quando o velho continente do amor
naufragar em mim
eu quero viver
nas montanhas
que restar

quando enfim
meu coração se for
eu voltarei de novo
numa assombração
de amor...

alguém já disse como conduzir teus sonhos? !
alguém já sonhou por você? !
alguém já te fez sonhar? !
alguém já ajudou nos seus sonhos? !
alguém já semeou sonhos no seu sonhar?
alguém já ofereceu o espaço para teu sonho realizar? !
alguém merece o sonho do teu sonhar? !

fico falando só
tudo em mim é estranho
dança de aproximar

lições de amar

ela faz o pão, o bolo e o fubá
borda palavras com sonhos
ensina silêncios medonhos
e é senhora do verbo amar

faça sonhos a cada dia
realize-me no seu sonhar
faça sonhos, riso
café, bolo e magia
se tiver tempo
rasgue o mundo
nos sonhos de amar

enquanto alguém sonha
vou me continuar
viver o sonho do dia
gastar o sonho de amar

toda vez que ela vai
eu fico na varanda inexistente
de mim, vendo a estrada
que faz ela andar.

e quando ela volta
eu estou na beira da estrada
esperando ela chegar

quando ela fala
eu me ponho a sonhar
quando ela rir
eu fico a pensar
será que ela sabe
do estrago que me causa
o tanto que sabe amar

o poeta lançou a flecha
eu vejo ela voar
atravessou o esconderijo
vou correr, vem me matar

vou te deixar poesia
por onde você passar
palavras de todo dia
poesia pra caminhar

e o mundo em mil pedaços
de sonhos para sonhar
o mundo é toda pessoa
pessoa é quem sabe amar

vou me apagar
assim tudo se apaga melhor
tudo se apaga em você

lições de amor

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

sem palavras

então tudo era miragem 
e me deixou perdido no deserto
e nunca estive perto quando
queria estar

as correntes já estavam lá
eu sabia mas não queria acreditar

sou estranho
numa terra de abandono
mas fui no convite
com nome de pode chegar

estranho fui feito
construído e aceito
estranho oferecendo
o que faltava
no amar

eu via e imaginava
e sonhava
mas me deram uma gaiola
para o meu sonho guardar

quando o trem passou
por mim
e eu acenei 
querendo amar
o trem não me via
não havia estação
pra mim
não havia disposição 
eu teria que esperar

agora tudo mudou
sou cego surdo
monstro e mudo
sou nada
estranho expulso
sou o que sou
você não viu
o meu amor

sábado, 24 de outubro de 2015

morar em ti

  1. te passear faz bem ser uma praia também
  2. se demorar é bom avisar e se ficar com raiva respira fundo
  3. antes que esqueça, não esqueça de lembrar do tempo de amar
  4. e a alegria, esbarra nela!
  5. e o azul vai na praia contemplar! o mar espera que ele vem te ondular!
  6. sobre a distância
  7. eu tenho os meus farrapos 
  8. que me permitem descansar

recado do dia

vou te receitar 
um saco de poesia
um monte de besteira
que fala do cuidar

vou cuidar da dor
e da agonia
com distância
e poesia
assim vou te encontrar

vou dizer 
sobre a tua companhia
do conforto
que anuncia
e de como te esperar

vou te falar 
com toda alegria
com gestos e olhares
assim poder te amar

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

desmanchando-se em mim

querer te amar é um querer morrer
o teu amor é chuva 
desenhando saudade na janela
e tuas palavras chegam suave 
feito notícias de outras eras

agora percebo que você não tem fim
todas as canções que escuto
sempre terminam com teu nome

tudo em você é imã
tudo quer uma rima
tudo em você é irmã e mulher
e o mundo que percebo é vazio
o mundo que eu sonho
ele te quer.

e eu espero você
a espera e essas palavras
ficam girando em torno do querer

tudo dia assim suave
até que percebo
que tudo é a ilusão de viver

meus segredos infantis

os meus amigos 
correm loucos para o mar,
eles querem nadar.
eu contemplo o mar
porque prefiro o navegar

quando não sabia das coisas
e queria saber delas
as coisas eram mágicas
não havia sentimento nelas

agora estou só aqui em mim
só em mim
eu estou
aqui

sobre os lugares vazios

se falo da ausência
é de toda ela que existe
no mundo,
da ausência latente
em cada homem
se me calo na ausência
a ausência me consome

se falo das pedras
é das pedras que te falo
as pedras que te calam
as pedras que te lançam
pedras do caminho
e do teu jardim em pedras

um monte de coisas guardadas
e esquecidas,
emoções latentes
e sonhos por se fazer,
pode existir um esconderijo assim
dentro de você?!

ruas ausentes de mar

agora na imensidão da noite
o mar existe lá no distante
em mim um mar
de acalmar

agora aqui, escuto
o barulho do mar
águas que me banham
águas por navegar
o mar é um barco estranho
é um pouco de todo lugar

mar de tormentas gigantes
mar que vem em mim naufragar
leva essas ruas distantes
desabitadas de janelas
vazias por não amar 

navegando todo o mar que há

azul rasgando o céu
azul de mar em mim
azul de tanta ausência
azul de mar meu fim

agora o mar é azul
meu coração quer ser o mar
minhas palavras são os remos
vou querer me navegar


sobre você ser o mar

Sobre você:
o dia
o amanhã
e a incerteza que virá...

barco querendo o mar...
voltando para o cais
onde o barco
não quer chegar

azul de mar
até querer o horizonte
até poder voltar
azul de amar
até se desmanchar
no céu da tua boca

de mar em mar
até desaguar
de mar em mar
até sertão de amar


entendendo o dia

antes que o dia acabe e ele vai acabar,
palavras de amor no armário,
guardadas pra não falar
deixa findar o dia
não mata o teu falar

aqui o calor é de correr
a vida por continuar
trabalhos para fazer
e sonhos para regar

vivemos de 
sair e voltar
ficar e sonhar
e o dia todo
por continuar...

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

sobre o lado do amor

quando ela vem eu fico bem quando ela vai eu fico, apenas.

e ela sabe do nó que o amor desata na gente

eu fico só eu fico bem depois que ela vai e vem

eu fico em mim ela fica em mim e o amor fica assim um laço que pertence a ela o lado do amor é todo dela o meu lado do amor é uma espera

fazendo-se verbo

faça o favor de amar de sonhar de sorrir de cantar de voar de chegar de sair de partir e de voltar

faça-me o favor de falar de pensar de querer o favor de você de viver de saber de fazer

quanto a mim quero ser o verbo do teu querer

terça-feira, 20 de outubro de 2015

sobrevivente de mim

havia um trem
atravessando por mim
ele vinha
carregado de tristeza

resolvi descer antes
da estação,
decidi caminhar,
encontrar pessoas
conversar e amar.

o trem desapareceu,
nunca houve
aquela estação
restou em mim
apenas uma distância
que necessito percorrer

quando chega a noite

e aprendi que te conhecer
não é te encontrar
te desconhecer
é querer te achar
encontro-me perdido
nos sinais do teu olhar
todo dia um novo segredo
pra desvendar
segredo que quer se revelar

agora na minha varanda
o céu do meu desejo
sonha nessa praia de você
um sonho de te querer

e você é o mistério da noite
enquanto eu sou o desvendar
do amanhecer

daí percebi
que somos nós
que lançamos
as formas do amor

ruas, escadas e palavras
me levam até você
só o meu coração
que teima
em te querer

esse amor que tudo quer
não aprendeu a suportar
quando o querer
demora a chegar

quando tudo é saudade
até o pão perde o gosto
de ser pão
e você sempre que vai
rouba-me o pão
e fica em mim cada vez mais


entre a terra e o mar

o dia é quintal para um menino correr é desafio para quem necessita viver

o curso do teu rio
onde quero navegar
são águas do destino
onde venho me banhar

eu que pretendo ser plural
e nem sei ser singular
olho o horizonte
e ponho a pensar
sobre o que é feito de você
do que é feito você
qual o efeito de você
sobre o tempo de amar


nossos projetos

Link permanente da imagem incorporada

domingo, 18 de outubro de 2015

ela e o mundo

  1. ela saber fazer falta em mim
  2. quando o que falta no mundo 
  3.                 só amor dela me completa
  4. e o que falta no amor 
  5.                 tenta existir no mundo dela
  6. porque aquela mulher 
  7.                é tudo que há no mundo
  8. e faz com que minha agonia 
  9.                 só queira permanecer no mundo dela
  10. e há uma poesia 

  11.       que não sabe nada do mundo
  12. e sabe do meu coração 
  13.                 que é o próprio querer do mundo que é ela