quarta-feira, 16 de setembro de 2015

as palavras e a lei da gravidade


não vou beber teu vinho
quero provar teu medo
tua dor, tua agonia.
saborear palavras
ao sabor do vento
transbordar segredos
provocar desejos de poesia

seja noite ou seja dia
o sonho vem num galope
voraz ele traduz tua magia
e faz nascer distante
o querer e o desejo
dissipando a nostalgia

me perco em todas as noite
e me entrego
na desesperança
do que ainda
não é dia

vou esconder meus olhos
para a cegueira do amar

e você embriagada de desejos
nua nas palavras
jogando sonhos
sobre mim
você é o jogo, é a regra, a meta e a vitória
você joga e ganha
eu sou o campo onde tudo se realiza

falo teu nome
feito um fantasma embriagado de sonhos
teu nome
feito poesia
inacabada
um rastro de sonho
um sentimento
não sonhado

ela chega feito a brisa no calor do sertão
chega feito luar, veneno e paixão


Nenhum comentário:

Postar um comentário