terça-feira, 29 de setembro de 2015

Palavras Entre Passado, Presente e Futuro

o amor vagando pelas ruas
não é luz
ele é lanterna
o barco da noite
é sem leme
imaginei uma bússola
ela me fez naufragar

de tanto não me arrependo
de tudo ainda tenho tempo
de ter tão pouco
falta-me o medo

vou desgastar o tempo
com saudade e poesia
até ele dobrar feito papel
trazendo recados de amanhã
que não existia.

depois de dobrar o tempo
vou esticar
até ele se rasgar
gemendo de dor
deixando escapar
promessas de amor

Palavras Naufragadas


poesia de choro de crianças
poesia de abandono e de refugiados
poesia de travessia e de fronteiras
poesia de mares sombrios.

amanhã quem sabe outras tragédias
e uma chuva de mortes nas telas dos insensíveis,
crianças não morrem sem causa.

mundo cruel e opaco
que assiste omisso a morte de crianças,
como se fosse uma foto premiada,
palco mórbido de audiência estúpida

o mundo é um menino morto
no caminho dos sonhos
e, os meninos do mundo
alimentam esperanças
que o mundo decompõe

um menino morre na estrada que o sonho criou
para sobreviver,
o menino é o resto do mundo
com medo de aceitar e medo de querer ser

Meu coração é um navio em busca do mar, 
meu coração cercado de medo de naufragar, 
teus olhos permanecem ancorados no deserto de homens, 
onde todos se ausentam de amar

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Palavras Sem Regras

na madrugada dos dias
e no café dos instantes
a poesia me acorda
como uma mãe
e põe a mesa
dos meus sonhos

vou atravessar
a janela de sonhos
que o dia me seduz

eu te vi passeando rubra sobre mim
pedras e senais de luxúria
o teu pecado é o meu prazer
doravante te chamarei de paixão

no furor dessa agonia
uma palavra dela
irradia a calma
e o sonho do dia

quando ela pensava em amar
eu corri e rasguei as regras
que ela tinha para sonhar

agora eu quero ver ela ver sambar,
sonha, cantar e amar
sem regra alguma
que a permita ser
que a permita amar
como se existir
fosse uma palavra
entre o querer e o sonhar











terça-feira, 22 de setembro de 2015

Palavras Desesperadas Em Mim


era tarde e já era noite
eu só queria
esmolar o teu olhar,
queria me esfregar
em você
e morrer numa praça vazia
eu queria uma dose
de você

vou te afiar
na dor do meu machado
vou te tocar
num quarto abafado
e vou deixar
o teu olhar calado
vou sair na rua
e chamar teu nome

vou gritar em mim
morrer em mim
viver em mim
ficar em mim
sair de mim
vou ao teu encontro

e que ninguém me ouça
que ninguém saiba
que escrevo
porque meu coração
é um mantra de tolice
e paixão

hoje eu faço questão
sou o cão do terreiro
vou morder teu tornozelo
e fazer você correr.

dor amor revolta e rock and roll
passam por mim
numa intensidade de crimes
em mim tudo é o juízo final

hoje quem não tem amor
vai padecer
o barco naufragou
o verbo não quer conjugação
é amar ou morrer

puta merda meu coração
ficou louco
logo hoje
que eu queria tanto
namorar
agora eu me abandono
saio desse corpo
e vou te procurar

eu sou a esmola
e a sobra
que castiga a comunhão
eu quero amar
e morrer no teu perdão
me esconder nas ruas 
nuas e esburacadas
do teu coração

hoje não sei onde estou em mim
palavras e rock and roll
na minha ânsia de poesia
queria o mundo
como quem quer uma filha

e o amor rasgando 
tudo em mim
o amor curando 
a dor que tenho para chorar

esse amor que não passa logo
e me deixa viver em paz
agora consegui sorrir
encontrei (des)razão
para seguir

voar, viver e amar
vou agonizar essa rima
em mim

não sei se é raiva rima ou poesia
é tanta dor e alegria
que me ponho a escrever
como se soubesse dizer
tudo o que sinto

talvez a noite seja doce
e a verdade um balde de água fria
talvez eu corra nessa tempestade
e a hora seja de alegria

aprendi a respirar
a dor passou
vou aprender
a continuar

se você for, vá depressa
e por favor
não bata a porta.
se você voltar
venha correndo,
venha me amar .











quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Palavras Que Atravessam

ela passou por mim e me acenou com lembranças parecia que foi ontem foi tudo antes do amor existir...

ela passou e me atravessou na rua por mim ninguém passas mais meu coração agora é uma parede (despedaçada)

ele passou e eu fiquei na rua ela nem me viu eu que me atropelei nas lembranças

quando ela passa por mim ela passeia em mim

quando ela passa por mim em plena rua eu esqueço que o amor é tão louco quanto o trânsito

se ela passar de novo eu saio da rua não quero mais travessia quero sair com ela e acabar com o vazio da rua

as palavras e a lei da gravidade


não vou beber teu vinho
quero provar teu medo
tua dor, tua agonia.
saborear palavras
ao sabor do vento
transbordar segredos
provocar desejos de poesia

seja noite ou seja dia
o sonho vem num galope
voraz ele traduz tua magia
e faz nascer distante
o querer e o desejo
dissipando a nostalgia

me perco em todas as noite
e me entrego
na desesperança
do que ainda
não é dia

vou esconder meus olhos
para a cegueira do amar

e você embriagada de desejos
nua nas palavras
jogando sonhos
sobre mim
você é o jogo, é a regra, a meta e a vitória
você joga e ganha
eu sou o campo onde tudo se realiza

falo teu nome
feito um fantasma embriagado de sonhos
teu nome
feito poesia
inacabada
um rastro de sonho
um sentimento
não sonhado

ela chega feito a brisa no calor do sertão
chega feito luar, veneno e paixão


terça-feira, 15 de setembro de 2015

Palavras em Construção

meu coração é cego,
                               uma pedra lisa,
                                                        palavra em construção,
                                                                                             vou teimando em ti
                                                                                            até o dia que a conversa                                                                                                                                               seja
                                                                                                       chega mais perto
                                                                                        segura minha mão.
meu coração é um refugiado
                                              perdido em palavras
                                                                               buscando aceitação

ela
     é fonte 
                dessa agonia
                                     é água, 
                                                é serra 
                                                            e mar
                                                                     deserto
                                                                                 e habitação
ela
     brinca
               com
                      o 
                        horizonte
                                        que
                                               existe
                                                         no
                                                              meu
                                                                     coração.

sonho
         de 
             palavras
                           e 
                             aproximação.

                                                                                                               num jogo de amar
                                                                                                     ela ocupa a tela                                                                                                                     eu desocupo a razão

abro braços e janela
e me desfaço em atenção,
bobo feito menino
faz silêncio no meu coração


                                                                   porque o meu amor
                                                                                                   é assim
                                                                                            tão demente em mim.
                                                                                 amor pouco e louco
                                                                que me faz
                                   querer mais e amar...

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Palavras Circenses


Eu vou pro circo...
quero rir no picadeiro da minha existência.
Vou virar palhaço de mim mesmo,
no circo do meu coração.
E o mundo todo 
é um palco armado no trapézio da minha solidão,
Eu sou um circo...
a alegria e a magia começam em mim.
aqui no circo raso e vazio, 
do espetáculo do meu viver,
a última cena desse encanto
é o encantamento de encontrar você.
Eu sou o circo,
e o riso começa a acontecer,
na magia do teu olhar,
no malabarismo
de poder amar.
E o circo me faz sonhar...

Palavras de Segredo

Tudo é amanhecer em mim
e ela trouxe um coração.
quero sonhar
com a chegada dela
na minha estação.

tudo vem num encantamento em mim
teus olhos medonhos
teu jeito estranho
e o dia de hoje
sem rima enfim.

tudo vem com você,
o bem querer,
a saudade, o sofrer.
tudo vem pra ficar
você e a vontade
de amar.

vem me salvar
dessa hora de aflição
meu barco não quer o mar
longe do teu coração

que espécie de amor
controla esse sofrer,
o mundo vem naufragar
nessa angústia de viver,
prisioneiro do mar
na ausência de você

chove lá fora, 
pior são os corações que nunca foram inundados de amor.
vou me molhar de você

Palavras Olhando de Longe

Há uma poetisa no meu jardim
nem tive tempo de regar as plantas das minhas palavras
quando ela escreve,  uma sombra descansa sobre os homens
a poesia é quadro das suas pinturas
saio de cena e contemplo


a canção não tem letra
ela segue iludindo meu coração tardio.
a canção é o som do meu coração inabitado


ela vem descendo a rua da minha emoção,
não há coração,
tudo em mim é rua e estação.
ela vem trazendo um coração
e tudo quer ser chegada

ela é serenamente mortal
alma de mulher
corpo de lobo mau

não quero mais amor nas esquinas,
quero aqui junto,
na palavra e na retina.

Palavras Sem Importância

no calendário sem datas 
e sem filosofia de sobrevivência, 
não há o mar devorador,
há o medo de não viver o amor.

restos de planos e sonhos perdidos, 
o mar a tudo inundou
e, o amor calado e esquecido 
na desaceitação que afundou
de um calendário vencido.


o outro é uma pedra que precisamos carregar,
pedra de caminho que nos faz continuar.


saber amar é fácil
saber facilitar é amar
saber aprender é facilitar o amor

vou lotear os caminhos que meu coração pretende percorrer
não há garantia de chegar
são estradas escondidas
desafios do amar



quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Palavras Querendo o Seu Olhar

Do chão daquele olhar
ela dominava a terra
o céu e o mar
e, o que havia
para ser habitado
no coração dos homens.

Havia magia
que ela escondia
numa forma de amar.
Silenciosa e inquieta
ela expandia suave
e duradoura
sua presença
diante do silêncio
dos homens.

Quando é ela
tudo é desejo,
quando não é ela
tudo é carência
e, os homens
são crianças
perdidos numa ciranda
bêbada de olhares.

Quando ela vem
tudo quer entregar-se,
quando ela vai
tudo quer perder-se.
Porque a magia
é feminina
e o silenciar também.

Naquele olhar
ela domina o mundo,
como se depois dela
não houvesse
mais ninguém.
Naquela olhar
os sonhos do mundo
são meus sonhos também.

Ela segue soberana
na magia do olhar,
paralisando o mundo
que tem fome de amar
e, a vida permanece
entre o ir e o voltar
confundindo as palavras
que desejam aquele olhar...