quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Palavras de Continuação

Obscena, me disseram sobre ela.
Sabe amar, respondi.

Teu desespero de existir
É um eco na minha mortalidade.
Resistir e enfrentar a dor,
Organizar teu caos é refazer o amor.
Ser livre, escolher
Navegar, navegar, por mares tenebrosos 
e viver, nossa angústia.

Saber é deixar de ser.
Não saber é não ser

palco sombrio de descertezas
Lâminas do querer
Uma carta escrita em sonhos,
A lua perdeu seu brilho, perdeu-se em luz, 
a lua atraiu o uivo dos amantes, a lua se fez aos loucos.
E o mundo não passa de uma carta cega.

Amanhece, o café me chama para contornar a mesa.
ela é uma deusa,
não sabe ou finge não saber,
apenas contemplo o seu poder,
assim, imagino a eternidade.
A noite venceu sobre mim,
e o dia que vivi
é o seu troféu.
No sono vou descansar
meus sonhos,
amanhã tenho que me continuar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário