domingo, 19 de julho de 2015

No Divã da Minha Amante


Carência e insatisfação marcas da nossa condição.
Caminhos percorridos evitam erros cometidos.
Caminhos percorridos ensinam da mestria de saber caminhar.
Saudade é convite para refazer caminhos.
O frio da serra contém beleza e poesia.
Enquanto o frio das pessoas afasta toda possibilidade de vida.
Estou vendendo o lugar vazio do meu olhar.
Enquanto chove percebo a distância do mundo, sinto o desperfume das ausências.
Quando você voltar, será de outro esse lugar,
Aparando o excesso das dores com a tesoura da vida,
ali, fora de mim, o mundo não tem fim e me chama pra continuar.
Chuva e frio enfeitam o dia aqui na serra.
Na hora da dor, solidão
Na alegria, comunhão.
Aos amantes o prazer de ser, de sentir, de gozar e de viver.
vou descer aos porões do teu amor e me embriagar com o vinho do teu prazer.
Só na heresia do teu corpo meus pecados alcançam a paz,
Palavras de condenação.
É esse imã de crueldade do teu olhar que me convida para morder tua jugular.
Palavras de salvação.
Estou preso a este mundo como o sangue que escorre do ódio do teu olhar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário