quarta-feira, 24 de junho de 2015

Palavras que nunca morrem...

Ela desligou-se
E saiu,
Eu desisti
E fui viver...
Ela dorme tranquila,
Eu brinco com a insônia...
Ela canta na rua
Eu choro na escada...
Ela rodeia meus passos,
Eu sou presa fácil...
Por fim,
Tudo virou silêncio...
Quando ela riu
Com suas palavras noturnas,
A poesia chorou
E dormiu nos seus braços...
Não sei existir
Corretamente...
Pra quem não sabe
Ela não existe...

Se você vem mesmo,
Meu coração
Não será tão bobo assim,
Meu pensamento
É bola de gude,
Sou menino
De meio de rua...
Quando ela vem
Eu sou porteira,
Quando ela vai
Sou extinção...
Ela olha pra mim
E eu sei sorrir...
Ela sorriu
E eu aprendi
A descansar...
Ela falou no meu ouvido
Duas palavras
E eu ainda cumpro
Seu querer...
Ela tirou a roupa
E correu para o mar
Morremos abraçados...
Ela cuspiu fogo
Depois beijou minha boca
Com a suavidade da neve no deserto...

3 comentários: