sábado, 1 de outubro de 2011

ENREDO DE FUGA

ERA QUASE MEIA NOITE, E O SOL DAS TUAS AGONIAS AINDA NÃO ESTAVA NUBLADO COM A SITUAÇÃO DE DESCONFORTO, QUE TUAS PALAVRAS CAUSARAM DIANTE DOS OLHOS DESACREDITADOS DE TODOS. BEM ALI DEFRONTE DO ALTAR, A NOIVA RECUSARÁ-SE A DIZER SIM, E O SILÊNCIO FOI A MELODIA DA TUA FUGA, ENQUANTO TODOS FICARAM ATÔNITOS E DESOLHAVAM-SE DESCONFIADOS DOS TEUS SEGREDOS NUNCA  PERCEBIDOS.
TEUS PASSOS ERAM UMA DANÇA DE PÉS CALÇANDO FACAS NOS OLHARES ENJAULADOS, UMA FUGA DE LADRÕES E, O TEU VULTO JÁ ERA UMA AUSÊNCIA TEMPESTUOSA. DEPOIS DO BAQUE TODOS SE FORAM COM OS PRIMEIROS VENTOS,E AO CAIR DA CHUVA NINGUÉM PERCEBEU QUE TU NÃO ESTAVAS NO TEU QUARTO VAZIO DE SAUDADES.
DIANTE DO DESESPERO E DA INCERTEZA DOS OUTROS, A RUA VESTIU-SE DE SURPRESA PARA TE VER SAINDO LOUCA E RÁPIDA, FUGINDO DE TODOS, CORRENDO DE SI, TEMENDO À NINGUÉM, SUMINDO SEM PALAVRAS DE ADEUS NUM ENREDO DE FUGA NUNCA VISTO, SEM POEIRA E SEM RASTROS. ATÉ QUE BEM ALI, NA PRIMEIRA CURVA TEU VULTO DERRAPOU E COMO NUM DESASTRE MACABRO, AQUELA MULHER DEIXOU DE EXISTIR NA MEMÓRIA CONFESSIONAL DOS FILHOS DAQUELE LUGAR.
DIZEM QUE ELA MORREU ALI NA CURVA E NUNCA ACHARAM SEU COPO, SÃO TANTAS VERSÕES QUE AS VEZES DUVIDAM DA SUA EXISTÊNCIA. E A SUA HISTÓRIA TORNOU-SE UM CONTO DE ASSOMBRAÇÃO. NÃO FOSSE POR UM BÊBADO QUE PERCORRE AS RUAS TODAS AS NOITES SOZINHO E DIANTE DA IGREJA, ELE DEPOSITA ROSAS PARA SUA AMADA QUE O ABANDONOU MORTO. UM HOMEM SEM AMOR, UMA PEDRA ATIRADA SOBRE OS MODOS DA SUA VALENTIA, AGORA TODOS DORMEM E ELE CHORA E JÁ NÃO EXISTE MAIS.
BEM ALI, DEPOIS DA CURVA, NUMA CASA SOZINHA, DORME UMA MULHER FELIZ COM SUAS RECORDAÇÕES DE FUGA E VIDA. DORME SEM REMORSO, ENQUANTO O VENTO ASSOVIA NO TELHADO DOS SEUS QUINTAIS, DORME DESCANSADA E SEM CULPA E, ACORDA PRIMEIRO QUE AS MANHÃS, NUMA ESPERA SILENCIOSA QUE O SOL ANUNCIE O DIA QUE LHE CABE.
ATÉ ONDE SE SABE, ELA CAMINHA SOZINHA E TODOS NOTAM A SUA PRESENÇA, OLHAM-SE E ESPERAM POR UM ACENO QUE NÃO É MERECIDO, ENQUANTO CAMINHA DISTANTE DOS OLHOS RANCOROSOS, ELA MARGEIA O CORAÇÃO DE CADA AFLIÇÃO QUE PERMANECE CONTIDA NOS LUGARES SECRETOS EM QUE  CAVOU-SE ABISMOS E TRANCOU-SE OS SONHOS ALHEIOS.
E QUANDO ELE RETORNA, TODOS PERCEBEM SUA FORÇA AUSENTE, SUA PRESENÇA DISTANTE, DAÍ ELA SE RECOLHE COMO UM CADERNO DE RECEITAS FOLHEADO POR MÃOS DESEJOSAS, CHAMANDO A FOME E SATISFAÇÃO PARA SI. UM TOQUE DE OLHAR E NOVAMENTE O MUNDO AFUNDA-SE E TODOS PENSAM EM SUAS SAUDADES, ENQUANTO ELA SORRI NUM CANTO DA SUA JANELA A CASA TOMA DE VOLTA SEU ESPAÇO E AS RUAS SE COMPRIMEM PARA COMPORTAR SUA PASSAGEM, MAS ELA NÃO VEIO, PREFERIU CONTINUAR COM OUTRO ENREDO DE CHEGADAS E PARTIDAS, NOVOS CAMINHOS POR DESENHAR NO SEU ROTEIRO DE CAMINHAÇÃO, NUM LUGAR ONDE UMA MULHER CONSEGUE ABATER TODOS OS DESEJOS COM SUA AUSÊNCIA...